Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

La Ragazza

11
Mar18

Runaway # Moda Lisboa N.50 - 09/03/2018

 ModaLisboa_N50_01.jpg

 

Nos últimos dias 8, 9, 10 e 11 de março decorreu, no Pavilhão Carlos Lopes, a Lisboa Fashion Week. Os desfiles começaram no dia 9 de março, sexta feira, e neste dia contaram com a presença de Sangue Novo, Carolina Machado Lab, Duarte Lab, Aleksandar Protic e Morecco Lab.

 

O desfile Sangue Novo inaugura o evento, com a apresentação das coleções dos designers Federico Cina, Rita Sá, Inês Nunes do Valle, Filipe Augusto, Opiar, Federico Protto, N’a Pas de Quoi, e Isidro Paiva. Tratam-se de oito trabalhos e interpretações sobre a memória, a identidade, a atualidade, a cultura, a subversão, a verdade e a emoção.

 

Ficam alguns exemplos do que passou pela passerelle da Moda Lisboa:

 

Carolina Machado Lab - Explorando o simbolismo e a linguagem que se associam a este sentimento, “Passionate” foca-se no l'amour e como o conceito de casal se transformou e evoluiu através do tempo e espaço. A coleção é um reflexo pessoal de todos os aspetos e fases envolvidas em relacionamentos românticos.

 

 

Duarte Lab - "Prohibition" é uma viagem aos loucos anos 20. Uma altura muito próspera em termos culturais, passando pela época de glamour na América, em que gangsters eram idolatrados. As silhuetas seguem uma inspiração Art Deco, bem como referências do estilo masculino da altura. Os algodões representam as vibrantes cidades como Chicago e Nova Iorque, enquanto que as lãs merino, os pelos de ovelha e coelho relembram o luxo inerente à época.

 

 

Aleksandar Protic - A coleção foi inspirada na personalidade da atriz Theda Bara - The Vamp.  Estrela, femme-fatale e uma das primeiras sex symbols do cinema mudo. 

 

 

Morecco Lab - Nesta estação, Morecco explora novos materiais e texturas, e foca-se na construção arquitetónica das formas da coleção. Cores ácidas e novas inspirações questionam o frenesim visual do contraste entre a selva e as criações do homem. A dualidade que opõe a natureza à artificialidade da máquina é literal no moodboard, que se constrói a partir da imagem de um acelerador de partículas e de outros elementos da física molecular, invocando a manipulação de matéria nos materiais escolhidos.

 

 

 

Follow me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D